Nirvana

Desenho: Amanda

Tu pode ler ouvindo essa música.

Se eu tenho você aqui, é como se eu pudesse te proteger de tudo
Ao mesmo tempo, parece que tudo que posso fazer é absolutamente nada
Fico prestando atenção em cada toque, em cada movimento
Tenho receio de te invadir

As imposições iniciais sempre falaram mais alto
Pelo menos isso serviu pra aprender que tenho medo do que já começa com limitações
Talvez por querer que as coisas não tenham limites ou por particularmente não querer colocar limite algum nas coisas

A gente se uniu como uma nuvem
Delicadamente delineada pra se esvair com a ação do tempo
Se você vai, eu te espero voltar
Quando você fica, eu não sei como agir

Te olho tanto porque, de alguma forma, venho a atingir algum grau de meditação com a tranquilidade da tua presença

Nirvana, ausência de pulsões, heaven

Por alguns instantes eu esqueço de tudo
Até você sorrir por perceber que eu tô fitando tuas expressões há alguns minutos sem interrupções
Nesses momentos, eu deixo a tranquilidade se transformar em um abalo sísmico que certamente seria um recorde na Escala Richter

As amarrações dos meus discursos sempre me fazem parecer uma voyeur de você
Mas é que toda vez que eu vejo, eu sinto
E quando eu não vejo, sinto também

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: