As Cartas – Falar

Foto: Amanda

Tu pode ler ouvindo essa música.

A linguagem me provoca coisa absurdas
Vivo digerindo gestos pequenos e palavras orquestradas
Não consigo exprimir a importância e nem justificá-la brevemente
É um rio que desagua no meu oceano de incertezas
Gostaria de não estar aqui tão perdida sem a presença
Preencho o vazio com três máscaras ou mais
Não dá nem pra me olhar no espelho direito
Se olhar, preciso me encarar
E eu não quero me encontrar na famigerada posição de dúvida novamente
“Tamponar”, conjugo pra mim mesma
O amor nunca é igual a qualquer sentimento já vivido
E se estabelece sempre do inesperado
E eu nunca sequer esperei
Assim como não espero que a falta irá cessar rapidamente
Por mais que eu queira esquecer de esquecer justamente pra não lembrar
Maneiras, formas e formatos já não me parecem suficientes pra expressar
Não há pra onde correr
Se não pra dentro de mim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: