Mar – As Cartas

Por Taís Parente

E em milésimos de segundos eu me perco no teu sorriso e corro de  encontro ao exílio que é deixar você.

Me leva embora contigo e me traz de volta quando quiser.
Lembra da gente?
Na noite de lua cheia?

Indo de encontro ao desconhecido, sem rumo, sem risco, com medo de nos  deparar com nossos medos e anseios.

Você me disse que era sonho ter a vista para o mar, sentir a solidão de ser  em si mesmo tudo aquilo que queriam encontrar e ser visitado todas as  vezes que precisar… 

Era sonho teu ter a imensidão e a solidão vista no real, na forma sólida e  palpável de uma parte da terra.  

Em uma noite de lua cheia e mar revolto.  

Lembra dos nossos votos? Que o mundo poderia virar, rodopiar; as  estações; o clima; tudo poderia vir a mudar e a gente também.  

Humanos que somos, mutáveis e adaptáveis a todas questões que nos  atinge; não prometemos a eternidade nem o para sempre, mas o presente. 

Até onde o convívio fosse saudável, dádiva de Deus, do universo. Até onde olhar fosse surpresa e encanto;  

Até onde o coração acelerasse na gente;  

Até onde fosse necessário e urgente a presença.  

Uma hora de frente para o mar.  

Eu não sei quando irei voltar para nossa próxima visita ao mar, mas espero  que não demore.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: